quarta-feira, 14 de março de 2012

Fundamentalistas querem expulsar os gays do Brasil

(Refutação dos argumentos do Pastor Deputado Marco Feliciano em texto intitulado “Fascistas querem expulsar Deus do Brasil”, publicado em seu website no dia 07 de março de 2012 e reproduzido ao final)

Por Paulo Stekel


“Ditadura Gay”, Sr. Feliciano? Quem acredita em tamanha baboseira? Esta expressão é uma afronta aos inúmeros cadáveres que a homofobia crescente produz semanalmente em todos os cantos de nosso Brasil. O Grupo Gay da Bahia (GGB), coordenado pelo notório Luiz Mott, há duas décadas tem denunciado um verdadeiro holocausto gay, o “homocausto”, que vem ocorrendo em nosso país às vistas de vários governos, parlamentares e especialistas em Direitos Humanos, sem que uma ação preventiva realmente efetiva e eficaz seja implementada. Aliás, quando tal tipo de ação é proposta em alguma instância do poder público, então vem o Sr. e os seus com o argumento intrigante e ridículo de “ditadura gay”. Ainda mistura isso com política, atribuindo a uma ação de “esquerda progressista” tal descalabro criado por mentes doentias, de onde venha!

Os membros de uma Ditadura matam, não são mortos, Sr. Feliciano! Se o Sr. tem o direito de lançar pérolas desta natureza, podemos insinuar que estão a querer implementar no Brasil uma “Ditadura Fundamentalista”, ou sendo tão irresponsável quando os donos da expressão que o Sr. usa, uma verdadeira “Ditadura Evangélica”, o que o Sr. com certeza também contestará por achar impossível, do ponto de vista constitucional. E, o é! Tanto quanto a tal “ditadura gay” à qual o Sr. se apega com tanta força.

O movimento evangélico não é retrógrado, Sr. Feliciano. Retrógrados são os muito mal-intencionados, mal-assessorados, ignorantes, homofóbicos e, muitas vezes, corruptos (pseudo)religiosos fanáticos fundamentalistas imiscuídos neste movimento tão legítimo como qualquer outro movimento religioso (católico, espírita, umbandista, budista, paganista...). Assim como não colocamos todos os evangélicos no mesmo saco de gato, o Sr. também não pode colocar todos os gays na mesma cova. Direitos fundamentais não podem transigir diante de quaisquer ideologias, sejam de direita, de centro, de esquerda ou “ideologias religiosas”, se o Sr. preferir entender assim, pois pessoas morrem diariamente e transigir é conivência ou, no mínimo, omissão. Aliás, pelo que conheço das religiões e, modéstia à parte, conheço muito, especialmente as religiões teístas, é tarefa da religião defender a vida de todos os seres humanos, mesmo quando estes não professam a mesma crença que nós! Nunca vejo na TV ou na Internet líderes evangélicos dizendo, esbravejando, como faz Malafaia, “não matem os gays, não os agridam, pois são irmãos nossos como todos os outros”! Ao contrário, vejo na TV expressões como “descer a lenha” nos gays! Isso é religião? Não. Não me atrevo a dizer o que é, mas o que não é já não me serve.

Propondo uma sopa insossa para ser engolida por seus próprios fiéis, o Sr. ainda mistura sua (não é filha sua?) “Ditadura Gay” com a afirmação do laicismo de Estado, ao atacar a decisão legítima do Conselho da Magistratura do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, estado onde nasci e resido, por ter decidido pela retirada dos símbolos religiosos dos espaços públicos, já que o Estado é Laico. O Sr. reclama que retiraram basicamente os crucifixos. Com certeza. O Sr. não acha interessante o fato de não existirem quase símbolos representando outras religiões nos espaços públicos brasileiros? Isso revela, não que o Brasil seja cristão, pois não temos mais “religião do Estado”, mas que os símbolos, cultura e práticas cristãs influenciam de modo preocupante os espaços laicos de nossa nação, obstaculizando decisões que envolvam etnias em risco, afrodescendentes, religiões historicamente excluídas e apoio do poder público a ações de fés que não sejam a cristã, já que o Cristianismo no Brasil recebe incentivo até fiscais nas três esferas de governo que seriam impensáveis em outros países civilizados. Ou se dá direitos e privilégios a todas as fés, ou a nenhuma! Senão, falar em Estado Laico passa a ser mera força de expressão!

Quanto ao movimento gay, o Sr. Feliciano comete em seu texto erros crassos que devem ser corrigidos (não me refiro aos gramaticais):

Ele diz que o movimento gay é um grupo pequeno, mas extremamente organizado. Pequeno ele é, pois somos entre 6 e 10% da sociedade. “Extremamente organizado”, gostaria de levar por elogio, mas não posso. Se fôssemos tão organizados assim, já teríamos uma lei anti-homofobia, casamento civil homo-afetivo, adoção de crianças e pelo menos 10% de parlamentares gays. Estamos longe de tudo isso! Mas, tenha a certeza, Sr. Feliciano, nos encaminhamos para isso diariamente, e sem ditadura alguma...

Ele diz que somos muito bem representados na mídia, na imprensa e que gozamos de favores governamentais. Então, me diga: Qual canal de TV foi concedido ao movimento gay? Quantos “Malafaias gays” temos na imprensa “descendo o sarrafo” em heterossexuais? Que favores governamentais são esses que não conseguem sequer forçar a aprovação de uma lei anti-homofobia decente, que ainda tem que amargar uma nova redação que mais parece ser para pastores incitadores de ódio na frente do altar de Deus, que para quem padece todo o tipo de violência diariamente nas ruas, na escola, nas igrejas, no trabalho e até dentro de casa? Ridículo, se não fosse tão trágico.

Mas, em seu texto, o Sr. ainda diz que somos uma minoria que não sofre de verdade, que camuflamos perseguição para impor um modo de vida promíscuo... Que Deus ouça o pouco valor que o Sr. dá à vida de quem morre todos os dias unicamente por ser quem é, não por estar matando, roubando, amealhando patrimônio público ou enchendo as cuecas de dólares para enviar a missões apostólicas na África! Deus permite que se use métodos diabólicos para a expansão das coisas celestes? Em qual versículo está tal permissão?

Para seu governo (que espero, não passe desta legislatura), a maioria dos gays dá muita importância à família, ajuda na integração de seus membros, cuida de pai e mãe até estarem bem velhinhos e é capaz de ajudar na criação de irmãos, sobrinhos e outros parentes com um amor incondicional tão louvável quanto o elogiado por Paulo em Coríntios! Já que estamos falando em falso moralismo, se o Sr. se apega aos promíscuos para atacar todos os gays, deveria eu atacar todos os heterossexuais por causa das prostitutas? Seria um argumento sem sentido, não é mesmo? Não para o Sr. e os que pensam do mesmo modo, pelo que depreendo de seus textos.

Quando o Sr. diz que o Brasil é uma nação “que embora seja laica não é ATÉIA”, se contradiz de um modo que me sinto constrangido em ter que contrapor. Fico com aquela “vergonha alheia”. Um Estado Laico não é um estado teísta nem um estado ateu. Nem uma coisa, nem outra. Até porque há religiões teístas (ex. Cristianismo) e religiões ateias (ex. Budismo). Então, se o Brasil não fosse laico, mas Budista, seria um estado com religião oficial, mas ateu. Um Estado Laico é aquele que não regula a vida religiosa/espiritual de seus cidadãos, simplesmente isso. Não regulando, também não é regulado por religião alguma, embora o Sr. e os seus estejam querendo reverter isso e transformar o Brasil em uma Teocracia Cristã Fundamentalista comparável apenas ao regime iraniano. Isso, nenhum cidadão brasileiro conhecedor dos seus direitos deve permitir jamais! De onde o Sr. tirou que o Estado Brasileiro é teísta? Ou ateu? Como homem público, o Sr. deveria evitar de nos envergonhar com seu pouco conhecimento de conceitos básicos imprescindíveis para a elaboração de leis coerentes e justas para aqueles que o Sr. representa.

O Sr. chega às raias da indecência total ao dizer em seu texto que invocamos uma “tal HOMOFOBIA coletiva nacional, que inexiste!” - E, inexiste, mesmo! Comportamentos, reprováveis ou não, não são coletivos, são individuais. As imputações, neste caso, também devem ser individuais, e por isso queremos uma lei anti-homofobia para julgar caso a caso. Agora, afirmar que os focos de homofobia são “isolados e baixissimos” (a falta do acento em proparoxítona é do seu texto original, não do meu!) quando comparados a outras minorias significa que o Sr. está a contar mortos para ver a quem ajuda em primeiro lugar? É assim que o Sr., como parlamentar, bate o martelo para decidir a quem defender ou se omitir, para dizer o mínimo?

“O que virá a seguir”, como o Sr. diz em seu texto não-revisado? Que Deus ajude ao Sr. e aos seus, pois parece que precisam de muito mais orientação d'Ele do que qualquer um de nós. Não pretendemos expulsar Deus da nação brasileira porque defendemos o Estado Laico, onde estão presentes por direito todos os deuses, orixás, santos, budas e deidades, ou nenhum destes, conforme o desejo individual dos cidadãos em suas vidas privadas. Ao comentário de alguém, feito após o seu texto, que afirmou que o “RS é do Senhor Jesus Cristo”, eu complemento: o RS e o Brasil inteiro são de Deus, Buda, Krishna, Oxalá, Alá, Jeová, Cristo, Tupã, Olorum e quantos mais aparecerem para invocar seus direitos, pois aqui temos lugar para todos. Também temos lugar para os que não acreditam em nenhum destes, e em seu humanismo apenas desejam uma sociedade justa, igualitária e feliz.

Digo isso com a plena convicção de ser um budista praticante que pesquisou muitas religiões, estudou a Bíblia em suas três línguas originais (hebraico, aramaico e grego), fez amizade com ateus e agnósticos, e se tornou um universalista inclusivo por entender que defender todas as crenças é garantir o direito da crença particular do cidadão, quando ele escolhe uma para seu caminho de felicidade nesta vida de dores. Eu escolhi o meu caminho, mas não quero impô-lo a ninguém. E, se o caminho escolhido não me permite viver em paz e harmonia com os que pensam diferente porque venha a desejar mudá-los de modo invasivo, este caminho não me serve.

Então, Sr. Feliciano, ao defendermos o Estado Laico estamos defendendo, inclusive, os direitos de crença de sua religião. Só o Sr. e os seus partidários auto-declarados “salvos” não percebem isso. Pois, percebam, antes que, assim profetizo!, o fogo do Inferno que vocês mesmos estão instalando em nossa pátria amada comece a arder, queimando a todos indistintamente, a homens e feras...

----------------

Abaixo, o texto original de Marco Feliciano, exatamente como lá consta, com todos os seus erros gramaticais, má formatação e ausência de muitos acentos até nas proparoxítonas, sempre acentuadas:


FASCISTAS QUEREM EXPULSAR DEUS DO BRASIL

Por marcio
7 de março de 2012 Publicado em: Noticias

Lendo a coluna na VEJA, de Reinaldo Azevedo, que com perspicacia e inteligência denuncia uma militância que vem crescendo assustadoramente nesse nosso país, a qual me refiro aqui sem medo e entitulo DITADURA GAY, que tem, sem sombra de duvida o apoio de uma esquerda petista, que traduz seus pensamentos em ações em forma de uma palavra que amam verbalizar, PROGRESSISTA.

Semana passada tal palavra foi ressoada por ninguém menos que JOSÉ DIRCEU, o “homem do PT”, que não tem moral alguma para falar, como fez, do movimento cristão brasileiro personificado em suas palavras através do movimento EVangélico, o qual ele chama de RETRÓGRADO. Um homem com seus histórico, perdeu, como eu disse em meu twitter disse desses, a chance de ficar calado.

Reinaldo Azevedo entitula de FASCISTA a ação ocorrida no Rio Grande do Sul, através do Conselho da Magistratura do Tribunal de Justiça, que decidiu eliminar todos os crucifixos e outros simbolos religiosos dos espaços publicos e pasmem, por unanimidade. E concordo com ele, em gênero, número e grau.

Entre o fim do século 19 e inicio do século 20, surgia o Fascismo. Nos idos de 1923 os fascistas começaram a desenvolver um programa de separação entre o estado e a igreja, foi o precursor do Nazismo de Hitler, e era de certa forma o resultado de um sentimento generalizado de medo e ansiedade que vinha da classe média do pós-guerra. A palavra “fascismo” devira de fascio, nome de grupos politicos na Italia do século 19, mas também deriva de fasces, que vem do império Romano e q era um simbolo dos magistrados.

Percebo e entendo o que o colunista da VEJA previu. Na classe média brasileira surge um grupo. PEqueno, mas extremamente organizado, disciplinado e muito, muito bem representado, na midia, na imprensa e goza de favores governamentais.

Tal grupo que representa uma minoria, não destas que sofrem de verdade, mas que sob uma camuflagem de perseguição, tenta e consegue impor seu modo de vida promiscuo, seus pensamentos anti-familia-e-anti-bons-costumes.

Que se faz valer por ter na midia que deveria ser imparcial, mas, nesses assuntos assumem uma militancia descomunal, e que, num futuro proximo, se algo nao for feito imediatamente, arrepender-se-ão ao verem a desgraça que provocaram numa sociedade que vive em função do que pensam e de como agem classes artitiscas e midiáticas.

Temo e muito que assim como houve no Rio GRande do Sul, que, infelizmente tem se aberto a tais idéias “progressistas” carregando em seu curriculum por exemplo o PRIMEIRO CASAMENTO DE PESSOAS DO MESMO SEXO, e agora protagonizam essa “PERSEGUIÇÃO AOS SIMBOLOS RELIGIOSOS”, em uma nação que embora seja laica não é ATÉIA.

A militancia Gay no Brasil esta sendo amparada pelos cofres publicos. Muito dinheiro tem sido investido neste tema, e tudo em nome de uma tal HOMOFOBIA coletiva nacional, que inexiste! O que existe são focos isolados e baixissimos, se comparado a outras minorias que sofrem de fato com o preconceito acentuado, mas que tendo a vitrine que tem e o apoio de tanta gente importante e lastreada pelos cofres publicos, transforma cristãos, evangélicos, e qualquer um quer cruzar os seus caminhos, em HOMOFOBICOS, FUNDAMENTALISTAS RETROGRADOS e RELIGIOSOS FANATICOS.

O que virá a seguir? Que Deus nos ajude! E nos ajude logo, antes que, esses fascistas, expulsem de uma vez DEUS da nação brasileira, afinal ja tiraram seus simbolos no Sul, como buscam tirar das cédulas do real a inscrição DEUS SEJA LOUVADO, como buscam exterminar programações religosas na TV, como perseguem festas religiosas, como buscam fechar igrejas, e outras coisas mais que me da náuseas, e prefiro aqui me calar.

Pastor Marco Feliciano

Deputado Federal

6 comentários:

Yêshua David disse...

Parabéns Paulo Stekel pelo artigo contra essa neo nazista do Marco Feliciano ou melhor, miliciano, que não passa de mais um anti-cristo disfarçado de boa ovelha.
É bom lembrar que existem vários vídeos no youtube, onde o estudioso evangélico Caio Fábio denúncia esse cretino, que usa de seu cargo como pastor para conquistar e transar com as moças da igreja dele!!

Espiritualidade Inclusiva disse...

Grato pelo apoio, Yêshua David.

Após ler o texto espúrio e mal escrito do Feliciano não pude furtar-se a uma refutação no mínimo decente para alguém a quem se outorgou o poder, imunidades e possibilidade de fazer todas as m. em nome do povo. Abraços!

alexsandroeco2009 disse...

Ótimo texto Paulo Stekel! Parabéns! Inclusive, este texto não serve só para o Deputado Feliciano, como para certos "pastores" de certas igrejas como AD e IURD.

Espiritualidade Inclusiva disse...

Grato!

Você captou a intenção subliminar do artigo, alexsandroeco2009! Abraços!

Somos a codigo6 Eventos. Muito Prazer e Até Breve ! disse...

Olá, simplesmente sensaciona o seu blog. Parabéns e até breve ! vivi_alves

Espiritualidade Inclusiva disse...

Gratos a Vivi Alves e a todos os que estão apoiando o nosso movimento e blogue Espiritualidade Inclusiva. Vemos que preenchemos um espaço que estava vazio até então. Preencham-no à vontade em prol da diversidade!