quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Não é o que entra pela boca o que contamina o homem...

Por Valéria Nagy

Pegando carona no post de Claudiney Prieto, que discorreu sobre a Wicca e a polaridade, e raciocinando em cima de certos conceitos e lógicas, penso: somos corpos biologicamente formados com órgãos masculino/ feminino. Ok. Esses corpos definem-se durante a gestação. Porém, o espírito já está determinado antes do corpo ser macho ou fêmea. E espíritos são energias possuidoras das duas polaridades, não tem sexo; carregam ambas as forças. E, antes de sermos homem ou mulher, somos espírito. Então, o argumento da polaridade (masculino e feminino/ negativa e positiva) no sentido de condenar a homossexualidade, a meu ver, não tem fundamento.

Muito se diz sobre a questão de os homossexuais não procriarem, o que seria antinatural, portanto, errado. Mas quem disse que os homossexuais não podem procriar? Ora, biologicamente, como casais, sim, não há como duas pessoas do mesmo sexo conceberem um filho, por razões, repito, biológicas. Mas ambos, homem e mulher, continuam a ter em seus corpos a capacidade biológica da procriação. Portanto, não concordo com o termo "aborto da natureza" (explicação do fundador da Wicca quanto aos homossexais), termo, aliás, que não tem sentido algum, visto que algo que é abortado é descartado, e os homossexuais existem e vivem normalmente, trabalham, pagam impostos, comem, dormem etc., correto? Este é mais um termo carregado de preconceito que alguém dito "dono de alguma verdade" disse em algum momento. Para se ter filhos, não precisamos estar casados, não é mesmo? E hoje temos avanços da Ciência a esse respeito, que possibilita a procriação sem relação sexual.

Pergunto: e quanto aos casais heterossexuais que não têm filhos por opção; ou homens e mulheres que, por alguma razão, são ou se tornam estéreis? Seriam eles também "abortos da natureza" por não procriarem? Pois isso não é difícil de se encontrar. Ora, se toda a celeuma se dá pelo fato de poder ou não poder procriar... questiono.

No campo religioso, padres e freiras são também "abortos da natureza"? Bem, o que dizer das milhares de cenas abomináveis de fetos mortos em porões de conventos e padres pedófilos? Não vou, neste momento, entrar nessa questão, só pensemos...

E quantos homossexuais, homens e mulheres, têm filhos? Vários. Porque a homossexulidade é movida a sentimento, não tem a ver apenas com o corpo. Não é incomum encontrar homens e mulheres que se casaram ou tiveram relacionamentos heterossexuais, tiveram filhos, mas apaixonaram-se por pessoas do mesmo sexo em algum momento da vida, descobrindo seus verdadeiros sentimentos. O que dizer dessas pessoas, em que "categoria" elas se encaixam? Me respondam, por favor.

Em quase todas as doutrinas religiosas, a homossexualidade é condenada pelo fato de "bloquear" a natureza, por não ser possível procriar. O papa Bento 16 anunciou esses dias que a Igreja Católica não aceita o casamento entre pessoas do mesmo sexo e que isso é uma ameaça à humanidade. Quanta intolerância esses líderes religiosos proclamam por meio de suas línguas venosas! Ameaça a quê? Somos mais de 7 bilhões de seres humanos, o planeta não está nem conseguindo sustentar tanta gente, e estamos ameaçados pelos gays? O que essas pessoas tentam é justificar o injustificável; querem tornar mentira a verdade. E, infelizmente, a grande massa prefere fechar os olhos e os ouvidos à realidade... Lembro-me de Jesus, quando disse: Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa contaminar; mas o que sai do homem é o que o contamina (Marcos 7:15). Não é o que entra pela boca o que contamina o homem, mas o que sai da boca, isto, sim, contamina o homem (Mateus 15:11). O que o Mestre Jesus nos expôs aqui é que não importa como você se alimenta, o que entra pela boca o próprio organismo vai eliminar depois. Mas o que sai da boca (as palavras, os sentimentos, o que vem do coração), isso sim contamina o homem. Ou seja, se você proclama ódios, espalhará ódios, contaminado a si mesmo e à sociedade ao seu redor. A palavra tem força, pois sai do coração.

Hoje vemos belíssimas histórias de casais homossexuais adotando crianças e formando suas famílias. Quantos bebês são abandonados pelas mães, todos os dias? Ah, claro, essas mães que jogam seus bebês nas lixeiras do mundo não são pecadoras, afinal, elas tiveram relação sexual com um homem e isso não é pecado. E os homens que engravidam mulheres e as forçam a fazer aborto? Tudo bem, o que importa é que eles não são gays... Os homossexuais viraram uma espécie de bode-expiatório planetário e daqui a pouco tudo será permitido, desde que não se seja homossexual... Vemos aí a chamada homofobia. Ela é perigosa. Estamos à beira da evolução, mas cercados ainda de muita involução.

O mundo precisa de amor; amor verdadeiro, e esse amor não tem cor, nem sexo, nem classe social... Que religiões são essas que pregam Deus com palavras tão agressivas, cheias de ódio, cheia de rancores? O que está errado então? Ninguém é obrigado a aceitar a homossexualidade, mas a verdade sim, todos temos que aceitar. Raciocinemos sobre a isso e pensemos sobre o que é respeito. E, não adianta, evolução é andar para a frente. Podem gritar, bater, xingar, mas o casamento entre pessoas do mesmo sexo já é uma realidade no mundo e vai se tornar cada vez mais. É a Natureza, e ela sempre se impõe mesmo quando há obstáculos. É questão de tempo. E o tempo? O tempo chegou.

Paz Profunda a todos!

Twitter: @nagy_valeria
Facebook: facebook.com/vmnagy/vmnagy

3 comentários:

Marcos disse...

Adorei o texto! E concordo, o que importa é o amor sincero, não importa como se manifeste.

Regina Abrahão disse...

Primeiro, parabéns pela ousadia do blog. Segundo, me considero espírita, apesar de divergir de vários textos e obras que tratam de forma desrespeitosa a homoafetividade. Gostaria de saber se posso enviar algum texto sobre mo assunto com minhas opiniões, interpretando citações que considero importantes.
caso considerem a possibilidade, estou à disposição, e-mail regina.csc@gmail.com. Por fim, esta postagem fica de difícil leitura por causa das letras brancas. Paz e Luz!

Espiritualidade Inclusiva disse...

Regina Abrahão,

A cor das letras foi corrigida. Gratos pela dica.

Você pode enviar seus textos para nossa avaliação à vontade. Envie para espiritualidadeinclusiva@gmail.com com um mini-currículo seu e uma foto sua em jpeg para ilustrar as postagens.

Fraternalmente,

Paulo Stekel
(coordenador geral)